Repleto de dúvidas

Quais?

Ele lhes perguntou: Quais?...” (Lucas 24.19 – ARA).

O que acontece quando o sol repentinamente escurece e você é assaltado por pensamentos sombrios? Foi justamente isso o que estava acontecendo com os dois homens de Emaús (em Lucas 24). Os dois estavam dominados por seus pensamentos sombrios. Interiormente estavam repletos de luto. Onde estaria seu Rabi, esse maravilhoso Mestre que tinha uma solução para todas as questões de suas vidas?

O tema dominante de suas conversas era: “O que será de nós, agora? Como continuaremos vivendo sem o nosso amado Rabi?” Quantas vezes Ele havia resolvido suas dificuldades e estendido as Suas mãos sobre eles quando estavam em perigo! Agora, no entanto, tudo parecia vazio e sem sentido.

Você também já passou por momentos como esse? Quando se avalia a vida a partir de uma perspectiva própria, com frequência aparece um quadro desfigurado. Foi esse o caso dos discípulos de Emaús. Eles não conseguiam chegar a uma conclusão sobre os horríveis acontecimentos dos últimos dias. O seu Salvador havia sido crucificado e morto. Suas vidas agora pareciam um campo de destroços.

Nesse momento, o Senhor Jesus apareceu ao lado deles. Exatamente assim Ele age. Ele os acompanha e procura estar próximo deles, para tirá-los de sua situação de desânimo e tristeza.

Não, Ele não deixa que Sua gente fique tateando no escuro. Aqui Ele foi ao encontro deles em plena dificuldade e desespero. Seus olhos, no entanto, permaneceram bloqueados de maneira que não O reconheceram (ver Lucas 24.16). Ele os ouvia em silêncio, mas então participou de seu mundo de pensamentos e lhes perguntou: “Sobre o que vocês estão conversando?”

Se soubessem que o Cristo ressurreto estava com eles, certamente teriam reagido de outra maneira. Desanimados, pararam no caminho para ensinar o Senhor Jesus. Com espanto, eles perguntaram àquele estranho que os acompanhava se Ele não sabia nada sobre as notícias que estavam colocando toda Jerusalém em sobressalto. Diante da pergunta: “Quais?”, eles se apressaram em falar e aliviaram o que pesava em seus corações. Eles derramaram sua dor diante do Senhor que ainda lhes era desconhecido.

E o Senhor Jesus? Ele deixou que continuassem. Será que Ele não deveria ter dito: “Escutem aqui! Ninguém sabe das coisas tão bem quanto Eu sei; poupem seus argumentos e suas palavras”? Não, Ele não o fez. Ele deseja que revelemos nossas dúvidas e decepções diante Dele.

“Quais?” é o que Ele pergunta também para você. Essa pergunta – “Quais?” – é o convite amoroso de Deus para que você abra seu coração diante Dele.

Você pode partir do princípio de que o Senhor Jesus insere o Seu “Quais?” em todas as questões e problemas que você tiver para que possa compartilhar os seus pensamentos atribulados com Ele. Somente quando permitimos que o Senhor olhe para nosso obscuro mundo de pensamentos é que Ele pode nos resgatar desses vales nebulosos de tristeza. Somente então nossa vida poderá ficar às claras novamente. Somente então todas as nossas ideias confusas se transformam em lógica divina. Então nossa fé poderá voltar a crescer.

Por isso, não fuja se o Senhor agora lhe perguntar: “Quais?” Não corra em direção a qualquer um se você está cordialmente convidado pelo Senhor Jesus para desabafar diante Dele.

Os discípulos receberam ajuda porque reconheceram seu desânimo. Quando lemos a respectiva passagem na Bíblia, mantemos a impressão de que os discípulos falaram demais. Totalmente errado! O Senhor Jesus aprecia justamente quando confiamos Nele. Ele deseja conceder Sua paz ao nosso coração inquieto. Ele não abandona Sua gente na escuridão.

De repente surge luz em sua escuridão! O Ressurreto Se identifica para eles através das Escrituras: “Não devia o Cristo sofrer estas coisas, para entrar na sua glória?” (Lucas 24.26). Não seria necessário que isso acontecesse para que os pecadores fossem arrancados do inferno? Não seria necessário acontecer isso para cumprir o plano de Deus?

As palavras do Senhor Jesus subitamente surgiram como uma luz ofuscante em meio a uma inconsolável escuridão. É maravilhoso quando o Santo Deus nos introduz em Seus planos, pois, “começando por Moisés e todos os profetas, explicou-lhes o que constava a respeito dele em todas as Escrituras” (v. 27). É algo infinitamente consolador saber que o Senhor Jesus não vai ao encontro dos Seus discípulos no plano dos sentimentos, mas com base na Palavra divina. Os sentimentos são instáveis como o clima, mas a Palavra de Deus permanece imutável. Sendo Ele mesmo a própria Palavra, Ele consola consigo mesmo e não apenas com a letra fria. E como todas as linhas do plano de salvação se unem no Senhor Jesus, você pode afirmar: “Está escrito, por isso eu creio! Está escrito, por isso posso saber!” Somente a fé vinculada à Palavra de Deus tem raízes. É somente essa fé que apresenta frutos e traz resultados.

Agora vá tranquilamente enfrentar sua vida cotidiana. Se nesse momento surgirem perguntas ou desorientações e ferirem o seu coração, sabia que o Senhor ressuscitado anda ao seu lado. Na hora certa Ele dará respostas com lógica divina às suas perguntas. Você ficará admirado com a maneira como Ele transforma em luz a escuridão de sua vida. — Manfred Paul

Categoria:ARTIGOS

Deixe seu Comentário