Clínica de aborto é fechada após intensa campanha de oração; Número já chega a 74

A organização Planned Parenthood é uma das principais defensoras do aborto nos Estados Unidos, e constantemente é envolta por escândalos e polêmicas, e por isso, se tornou alvo de uma campanha de oração para que tenha suas atividades encerradas.

Os cristãos lançaram uma campanha chamada “40 Dias Pela Vida”, em que os participantes oram em vigílias pedindo a Deus que as clínicas da instituição sejam fechadas. Na última semana, mais uma unidade teve suas atividades encerradas.

“Louvado seja Deus! Nossos voluntários de oração observaram que móveis foram transferidos, equipamentos e papeladas também foram para fora do ‘Centro de Mulheres de Ocala’, na Flórida”, comemorou Steven Ertelt, em entrevista ao LifeSiteNews.

”Ao longo dos anos, a ‘40 dias pela vida’ fez várias vigílias na calçada em frente a este edifício. Esta é a 74º clínica de aborto que fecha durante esses dias em que temos orado”, acrescentou.

Ertelt repercutiu também o anúncio feito pela instituição de que outras unidades serão fechadas: “A Planned Parenthood anunciou que vai fechar um escritório de referência em aborto em Muncie, Indiana, no final dessa semana”, mencionou.

“Louvamos a Deus por essas vitórias. Todos os dias a gente se lembra de que a oração é necessária para acabar com o mal do aborto. Essa compreensão nos ajuda a lidar com a realidade de que a mentalidade do aborto é utilizada por algumas pessoas como um meio de justificar o infanticídio”, alertou. “É um tema sombrio, mas [denunciá-lo] irá trazer informação sobre os graves perigos do aborto e da importância de que todos nós precisamos estar em guarda e contra essa crueldade”, concluiu.

Comércio

Há um ano, uma das diretoras da Planned Parenthood foi flagrada negociando a venda de partes dos corpos dos bebês abortados.

Em um vídeo, feito durante a investigação do crime, a doutora Deborah Nucatola admite que usava os abortos como forma de obter partes do corpo das crianças para fornecer partes intactas a compradores do mercado negro.

A médica disse que a organização estava ciente que essas negociações são crime federal, com pena prevista de 10 anos e multa de até US$ 500 mil, mas que tomava medidas para encobrir os rastros.

Os investigadores perguntaram a ela se saber o que eles procuravam faria muita diferença na forma como ela iria conseguir o que eles querem, e ela respondeu dizendo que “faz uma enorme diferença”, pois influencia na forma como o aborto será realizado. “Eu diria que um monte de gente quer fígado. E por essa razão, a maioria dos provedores [médicos que realizam o aborto] vai proceder neste caso sob a orientação de um ultrassom, então eles vão saber onde eles estão colocando seus fórcepses”, disse a médica.

Por Tiago Chagas

Categoria:MUNDO

Deixe seu Comentário