7 de setembro: um dia para refletir sobre a nossa liberdade

Enquanto o Brasil comemora por ser independente e livre, há países que são fechados, onde os cristãos não podem sequer praticar a sua fé

No contexto religioso, nós, brasileiros somos totalmente livres para cultuar a Deus da maneira como desejamos. Podemos escolher a linha teológica da igreja onde vamos frequentar, a versão da Bíblia e até mesmo a cor da capa. Podemos orar em ambientes pentecostais ou não, e há quem escolha até mesmo o tipo de música que mais se agrada para louvar ao Senhor. Enquanto isso, em países onde o cristianismo é considerado uma ofensa ao governo e até mesmo um crime, Bíblias são contrabandeadas, o islamismo é o que se aprende nas escolas e se alguém for pego evangelizando, pode ser agredido, preso e até morto.

As realidades são diferentes e a noção que se tem de liberdade também. Imagine-se dentro de uma das piores prisões do Irã, doente e sem receber tratamento médico, cumprindo uma sentença de 4 anos, simplesmente por decidir seguir a Cristo. Maryam Naghash Zargaran vive essa realidade. Você conseguiria viver dois anos, dentro de um contêiner de metal, numa prisão militar na Eritreia e ainda assim louvar a Deus? Helen Berhane viveu essa realidade.

Na Coreia do Norte, Han Choong Yeol, um líder cristão que ajudava refugiados foi encontrado morto, com vários ferimentos. Na Indonésia, o irmão Rudi foi preso após ter sido acusado de blasfemar contra o islã. No Iraque, Ghazan que era um importante empresário e tinha uma transportadora, atualmente trabalha como padeiro e vive deslocado com sua família, depois que o Estado Islâmico tomou sua cidade. Esses são apenas alguns exemplos de vida, não são apenas nomes. Essas são as histórias dos nossos irmãos, que fazem parte da história do cristianismo.

Qual a sua história? O que você faz com a sua liberdade de expressão e de religião? Você faz com que sua história se cruze com a história dos cristãos perseguidos? Saiba que a nossa liberdade pode fortalecer a fé deles. Da mesma forma, as prisões que eles enfrentam, bem como as torturas e humilhações, podem dar sentido à nossa fé e nos motivar a orar por eles e a viver como uma só igreja, um só corpo, como a Bíblia nos instrui a viver. Nesse dia, em que o Brasil todo comemora a independência e a liberdade, lembre-se daqueles que vivem em países fechados e que não possuem liberdade nem mesmo para praticar sua fé. Pense neles, ore por eles.

Categoria:MUNDO

Deixe seu Comentário